Saúde Emocional

Provamos a ansiedade todas as vezes que mantemos a nossa atenção ao que ainda não aconteceu e desfocamos do nosso presente. Psicologicamente, são dois pontos relevantes: preocupar, que é ocupar o cérebro previamente aos fatos que não se pode controlar e não aceitar o presente, negar o que se pode controlar. Este segundo ponto é o fator de uma mente que vagueia, propensa a infelicidade, que oscila para futuro e passado.

Em meu livro “Uma mente persistente” conto sobre uma pesquisa feita durante anos em relação as preocupações de um grupo de homens e mulheres. O resultado foi que 40% das coisas que nos preocupam nunca acontecem; 30% são coisas do passado e não podem ser alteradas, 12% tem relação com aspectos desnecessários da saúde e 10% são relativas a coisas sem importância e apenas 8% com questões realmente verdadeiras.

Visto isso, podemos afirmar que 92% das preocupações que temos não controlamos. E se for reparar, os problemas que realmente têm importância são aqueles que nunca passaram em sua mente ou que vieram num momento que você estava muito ocupado para observá-los, estes representam apenas o 8%.

Curiosidade sobre a Ansidade no trabalho

Existe uma pesquisa do Instituto Isma no Brasil, ao falar sobre ansiedade de profissionais revela que:
80% dos profissionais apresentam traços de ansiedade
78% dos profissionais já tiveram momentos de raiva e agressividade
65% dos profissionais consideram seu nível de ansiedade e estresse de regular a péssimo
30% dos profissionais confessaram sofrer de Burnout (desgaste físico e mental causado pelas pressões no trabalho)
80% dos profissionais disseram que estão desmotivados

Ansiedade normal “do bem”

Ansiedade é uma palavra popularmente usada para vários distúrbios emocionais e mentais que causam nervosismo, medo, mal humor, desespero, insônia.

A ansiedade normal é uma reação que toda pessoa experimenta diante de algumas situações do dia a dia, como falar em público, expectativa para datas importantes, viagens, entrevistas de emprego, vésperas de provas, exames de saúde, etc., sem comprometer nossa saúde, rotina, hábitos, relações ou tarefas.

Ela é a antecipação a um futuro de ameaça, é a tensão, preocupação, um alerta ao futuro. Moderadamente, ela é importante porque nos faz ter atitudes, nos mover aos objetivos, produzir e resolver questões.

Nossa espécie, desde que existe, tem como meta sobreviver e procriar. Por isso, temos diversas necessidades para tal meta: respirar, comer, dormir, aprender, conviver com pessoas, etc. Diante dessas necessidades, vivemos condicionados a duas motivações: vencer desafios (correr atrás das oportunidades) e evitar prejuízos (fugir das ameaças). Graças a ansiedade nossa espécie evoluiu até aqui.

Ansiedade patológica

Aí aonde a ansiedade entra em jogo, acontece assim em nosso cérebro: quando vemos, ouvimos ou vivenciamos uma situação ameaçadora de perigo, acontece um estímulo no cérebro que ativa uma região que fica no centro do nosso cérebro, que se chama amídala. Ela deflagra uma descarga adrenérgica muito intensa, sem a gente perceber. Nosso músculo contrai, a frequência cardíaca sobe, a respiração fica ofegante. Isso é muito útil pra gente enfrentar ou fugir.

Algumas pessoas, porém, vivenciam esta reação de forma mais frequente e intensa, e por muitas vezes, sem existir uma ameaça. Ou seja, pode acontecer descarga de adrenalina de uma forma inesperada, sem a gente controlar, que é extremamente angustiante. Quando essa região da amídala fica ativada constante, desencadeia um transtorno de ansiedade.

Por isso, é importante entender que o grau alto da ansiedade é o que desencadeia a patologia, ou seja, um conjunto de manifestações emocionais e físicas causando uma desordem do sistema nervoso – transtornos mentais e até comprometendo a nossa saúde física.

Fatores da Ansiedade

Existe uma soma de causas para que haja ansiedade, ela é multifatorial. Podemos dividir em três principais categorias de fatores de risco para a ansiedade:

  1. Biológicos – Existe uma predisposição genética, a pessoa tem genes que aumentam a sensibilidade da pessoa as ameaças. A pessoa pode ter uma estrutura química diferenciada na amídala e níveis diminuídos de serotonina, noradrenalina e dopamina.
  2. História de vida – A pessoa tem modelos familiares de ansiedade (cultura de senso de urgência), modelos de regras rígidas, de altas exigências, modelos de punições e recompensas inesperadas, situações de traumas, brigas, de privações de prazer. Crenças limitantes, perfil comportamental rígido a mudanças.
  3. Ambiente – Fatores estressores: uso excessivo da tecnologia, tipos de trabalho e funções (alto risco), carga horária alta, metas de alta performance, falta de planejamento, trânsito, sem planejamento, mudanças bruscas, incertezas. Cenários de dificuldades financeira, profissional e relacional. Ausência de fatores protetores (esporte, alimentação, natureza, espiritual).

Como foi falado anteriormente, quando a amídala do cérebro é ativada, há um aumento de adrenalina e cortisol produzidos pelas glândulas suprarrenais. Desta forma, a pessoas terá sintomas, que vou classificar em dois:

Sintomas psicológicos da ansiedade

– Pensamentos obsessivos
– Sentimento de pressa
– Irritação aguçada
– Pensamentos acelerados
– Preocupação em excesso
– Estar à beira de um ataque dos nervos
– Desatenção
– Diminui atenção e concentração
– Falha na memória
– Falhas no trabalho
– Apatia
– Alteração do sono
– Ver perigo em tudo
– Afastamento social
– Falta de energia
– Exaustão
– Perfeccionismo
– Cobranças exageradas
– Burnout (Distúrbio psíquico de caráter depressivo causado por um esgotamento físico e mental intenso cuja causa está ligada ao profissional)

Sintomas Físicos da ansiedade (cérebro, pulmões, músculos, aparelho digestivo, coração):

– Estímulo da amídala cerebral
– Liberação da adrenalina e cortisol (Hipotálamo manda mensagem pra supra renal que produz o cortisol). Grande vilão!
– Boca seca
– Temperatura aumenta, sudorese
– Aumento da pressão arterial (Coração)
– Aumento de peso (Obesidade)
– Aumento de risco de pressão alta (Hipertensão)
– Aumento de resistência a insulina (Diabetes)
– Aumento dos Telômeros/ cromossomos (Envelhecimento precoce)
– Tontura
– Zumbido no ouvido
– Formigamento
– Queimação no corpo
– Calafrios
– Desconforto no corpo
– Dores e tensão musculares
– Dor de estômago, diarreia, náusea, queimação (estômago)

Importante saber que essas respostas da Ansiedade não duram muito tempo. O episódio da ansiedade é limitado, então não tenha medo, vai passar! Alguns duram dez a quinze minutos no máximo. E outra coisa, não lutar contra os sintomas para não desencadear mais ansiedade. E o fundamental, tratar as causas e não os sintomas.

 

Tratamento da Ansiedade

– Atividade física (aeróbica)
– Alimentação serotoninérgica, com suplementação de vitaminas.
– Técnicas terapêuticas (técnicas de Mindfullness, ioga, meditação)
– Psicoterapia (Treinar o pensamento para reparar as distorções cognitivas, gerar estratégias de mudanças e hábitos) Tratamento de ouro, 75% ou a longo prazo mais eficiente que os fármacos. A taxa de melhora é de 90% e recaída é de 20%.
– Associação farmacológica (Antidepressivo – preferência serotoninérgico com plano de tratamento – antidepressivo). Ele demora a produzir efeito, em média seis semanas, mas vai aumentar a serotonina. A taxa de melhora é de 75% e recaída é de 35%.
– Associação farmacológica de efeito rápido (Calmantes – ansiolíticos, benzodiazepínicos, bromazepan, alprazolam, lorazopam). Eles são gostosos, eficazes, desligam o sistema de ansiedade do cérebro, agem rápido, mas é cuidadoso querer tratar com eles. Não devem ficar por muito tempo. O ideal que eles entrem até o antidepressivo fazer efeito. A taxa de melhora é de 60% e recaída de 90%.
– Estímulos eletromagnéticos no dorso frontal direito para inibir o centro da ansiedade
– Respiração diafragmática: equilibra o dióxido de carbono no corpo e fazer que o centro da ansiedade fique menos ativo. Um truque para treinar: coloque uma mão no peito e outra no abdômen. A gente puxa o ar e levanta o abdômen apenas durante 4 segundos e expirar abaixando o abdômen durante 6 segundos.

Obrigada pela leitura! Vamos procurar tratar as causas e de preferência, sem remédios já que é possível se livrar de um quadro de ansiedade de forma natural!
Cuide das suas emoções.

 

Fontes:
DSM-5
Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais 5.ª edição (2013)
Site: www.health.com